www.Capricho.com.br


A revista Capricho foi a primeira publicação da editora Abril e sua história se confunde com a história da grande editora. Quando a revista foi criada, há mais de 60 anos, a administração da empresa ficava a cargo de Vitor Civita, que a idealizou.

Inicialmente a Revista Capricho, hoje tão popular como título juvenil, não era uma revista adolescente. Em 1952, quando foi lançada, foi a primeira revista feminina do Brasil e trazia em seu conteúdo fotonovelas, o que perdurou por pelo menos 30 anos. As fotonovelas eram histórias românticas contadas com fotos, em formato de quadrinhos. Devido ao público que atendia e ao crescimento de sua procura a Capricho também passou a falar, aos poucos, sobre beleza, moda e comportamento.

Screen Shot 2013-04-21 at 2.05.00 PM

Até 1982 a revista era mensal, nesse ano ela mudou seu foco para atender adolescentes e jovens (15 a 29 anos), desaparecendo com as fotonovelas e abrindo novas seções para os assuntos que mais atraiam as leitoras. Até o final da década de 80 a revista se firma no segmento jovem e durante a década de 90 passa a ser sonho de muitas jovens modelos sair na capa da Capricho – sonho que se realizou para muitas modelos famosas hoje em dia, como Gisele Bundchen e Ana Paula Arósio. Em 1996 a revista deixar de ter modelos na capa, passando a colocar os principais ídolos de suas leitoras, a revista também passa a ser quinzenal.

É em 2006 que a revista chega ao formato que conhecemos hoje, com a sua mudança gráfica e mudança de leitura alcançando também o site.

É no site da Capricho que há extensões sobre as matérias, possibilitando maior interação com as leitoras. No site muitas delas se tornam personagens da revista, realizando um sonho que é fermentado a anos em suas mentes. Algumas sessões são exclusivas para isso, como a série It Girls que se propõe a mostrar o estilo das leitoras.

A Capricho é uma marca, hoje em dia, presente na vida das adolescentes brasileiras, ajudando-as a lidar com os problemas da idade e a descobrir sua verdadeira essência.

Comments are closed.