Egito Antigo Resumo


Você deseja saber mais sobre o Egito Antigo? Então, basta continuar lendo para conferir o nosso resumo do Egito Antigo, que conta com informações bastante práticas sobre a sociedade egípcia e outras características importantes para quem quer conhecer melhor o Egito Antigo.

O desenvolvimento da civilização egípcia antiga ocorreu no nordeste africano, mais especificamente nas margens do rio Nilo. O período de desenvolvimento foi de 3200 a.C., quando aconteceu a unificação do norte e do sul, até 32 a.C., quando os romanos passaram a dominar a região.

Formada pelo deserto do Saara, a região do rio Nilo era de grande importância para o povo egípcio, que usava o rio para o transporte por meio de barcos. Eram transportadas pessoas e mercadorias. Além disso, os egípcios recorriam ao Nilo para beber, pescar e fertilizar as margens, o que favorecia a agricultura nos períodos de cheias.

Sociedade do Egito Antigo

A população era dividida em diversas camadas, que marcavam o nível de poder de alguém na sociedade. Por exemplo: o faraó era considerado a maior autoridade, tanto que era venerado como se fosse um deus. Os militares, sacerdotes e escribas, que eram os encarregados da escrita, estavam abaixo dos faraós. A classe trabalhadora era composta de camponeses, artesãos e pequenos comerciantes. Tais pessoas ajudavam a sustentar a sociedade egípcia com o seu trabalho e tinham que pagar impostos.

A escravidão também era o que impulsionava a sociedade. Apesar de trabalharem bastante, os escravos não recebiam nenhuma recompensa. Em geral, os escravos eram pessoas capturadas em guerras.

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

Os egípcios se destacaram em diferentes áreas das ciências, graças a conhecimentos matemáticos usados até hoje. A medicina também proporcionou informações muito úteis sobre o funcionamento do corpo humano. Já a arquitetura egípcia teve destaque devido à criação de tempos, palácios e, claro, das famosas pirâmides. Tais construções eram financiadas e gerenciadas pelo governo do faraó. A maioria das obras era erguida a partir de blocos de pedra. As pirâmides do Egito e a esfinge de Gizé são construções que sempre atraíram turistas. O que nem todos sabem é que muitos escravos sofreram e até morreram para que essas obras fossem realizadas.

Já a economia no Egito Antigo se baseava na agricultura, principalmente nas atividades que dependiam da fertilidade do rio Nilo. O comércio de mercadorias e o artesanato também eram praticados pela população. Se você fizesse parte da classe de trabalhadores rurais, você tinha que estar preparado para quando o faraó te convocasse para serviços em obras públicas, como canais de irrigações, diques ou até nas famosas pirâmides.

Escrita no Egito Antigo

Os egípcios se comunicavam, divulgavam novas ideias e controlavam os impostos com o auxílio da escrita, que era dividida em duas categorias: a escrita demótica, que era bem mais simples e utilizada apenas para assuntos rotineiros; e a hieroglífica, que era a mais notória devido à sua complexidade, uma vez que esse tipo de escrita incluía desenhos e símbolos.

Quem andava pelas pirâmides podia ver textos que abordavam a vida do faraó, além de orações e mensagens com o intuito de espantar eventuais saqueadores. Os registros textuais também eram encontrados na forma de papel. É o caso do papiro, que consistia em uma espécie de papel feito com base em uma planta denominada papiro.

Religião no Antigo Egito

Mitos e crenças rodeavam a religião egípcia, que se baseava no conceito de vida após a morte. A população acreditava em inúmeros deuses, incluindo figuras com corpos formados por partes humanas e de animais sagrados. Tais deuses eram responsabilizados por coisas que aconteciam aos egípcios. Por isso, o povo tinha o costume de fazer oferendas e homenagens, com a finalidade de evitar que os deuses se revoltassem e lançassem punições, como guerras, infertilidade e outros fatores negativos. Além disso, era comum haver um deus protetor para cada cidade, bem como templos religiosos para homenagear cada deus.

Por fim, é importante lembrar que os egípcios mumificavam os cadáveres dos faraós, para tentar preservar seus corpos. De acordo com a crença no Egito Antigo, a vida posterior à morte seria definitiva e determinada pelo deus Osíris em um tribunal de julgamento, onde o coração das pessoas julgadas era avaliado. Assim, quem fez coisas ruins em vida tinha o coração mais pesado, logo, a vida após a morte seria uma vida na escuridão.

Comments are closed.